Zopone Engenharia executa Estação Conversora de Xingu – Bipolo 2

Zopone Engenharia executa Estação Conversora de Xingu – Bipolo 2
image_print

A alta precipitação pluviométrica, o difícil acesso ao local e a logística de entrega de materiais são os principais desafios

A Zopone Engenharia participa da construção da Estação Conversora de Xingu AC/DC – 500/±800kV – 4.000MW – Bipolo 2, a segunda linha que vai abastecer a região Sudeste, levando energia gerada na Usina Hidrelétrica de Belo Monte diretamente para o Rio de Janeiro – RJ.

Com as mesmas características e construída em área ao lado do Bipolo 1, em Anapu – PA, a segunda subestação está em obras desde outubro de 2017 e tem previsão de término para 2019, sendo de propriedade da chinesa State Grid Brazil, pertencente à Xingu Rio Transmissora de Energia (XRTE).

Partindo de Anapu, a segunda linha atravessa 2.500 quilômetros por dezenas de municípios nos Estados do Pará, Tocantins, Goiás, Minas Gerais e Rio de Janeiro, chegando a Paracambi, onde a subestação transformadora recebe a energia e a transforma para ser redistribuída para o Sudeste.

A Zopone assina toda a obra de engenharia civil, que engloba drenagem pluvial, malha de aterramento, via de transferência, base dos transformadores, bacia dos transformadores, parede corta-fogo, construção de edifício de válvulas do polo 1 e 2, prédio de controle, sala de resfriamento de válvulas do polo 1 e 2, drenagem oleosa, sistema de hidrantes, casa do gerador, casa de rele, fundação para os filtros, equipamentos e pórticos dos pátios AC e DC, canaletas e envelopes para cabos de força e controle, cerca de fechamento, vias de acesso e sistema de abastecimento de água potável.

Nos serviços eletromecânicos, a Zopone vai executar a montagem dos transformadores conversores de 400kV e 800kV, montagem de suportes para equipamentos, montagem de pórticos metálicos, montagem de equipamentos do pátio AC e DC, montagem dos equipamentos na área dos filtros AC e DC, sistema de energia auxiliar 13,8kV, sistema de para-raio, lançamento de barramento flexível e rígido, montagem de infraestrutura para instalação de equipamentos nos edifícios de válvulas, edifício de controle, casa de rele, sala para sistema de resfriamento das válvulas, lançamento de cabos de força de alta tensão e cabos de controle.

Segundo o engenheiro civil Marco Rocha, do departamento de Planejamento, os principais desafios da empresa nesta obra envolvem a alta precipitação pluviométrica, o difícil acesso ao local e a logística de entrega de materiais.

Responsáveis pela obra:

– Coordenador Geral: Paulo Henrique Soares
– Coordenador Elétrica: Adilson Franco
– Coordenador Civil: João Castro
– Planejamento: Paulo Sant’Anna, César Deps
– Orçamento: Raphael Idalgo

Notícias relacionadas

VOLTAR AO TOPO